Amarante: MMASC acolhe “Mário Cesariny: a poesia sem versos” e “Amor em Quarentena”

Pormenor de "Amor em Quarentena"

O Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso (MMASC) recebe, no próximo fim-de-semana (23 e 24 de março), as exposições “Mário Cesariny: a poesia sem versos” e “Amor em Quarentena”.

Sábado, 23 de março, pelas 15h00, o MMASC inaugura a exposição “Mário Cesariny: a poesia sem versos” com curadoria de Marlene Oliveira e Perfecto E. Cuadrado. No ano em que se assinala o centenário da publicação do Manifesto Surrealista e sendo Mário Cesariny uma figura central no movimento surrealista em Portugal, Amarante, terra de Teixeira de Pascoaes, acolhe-o nesta exposição, numa parceria com a Fundação Cupertino de Miranda. 

A obra dedicada de Cesariny a Pascoaes onde escreve o verso “a luz é cada vez mais clara e a treva cada vez mais negra”, uma alusão do surrealista à “poesia sem versos” do autor amarantino, serve de imagem para esta exposição. Cesariny referiu que “Pascoaes, é o meu maior” (Verso de Autografia, 2004), dada a admiração que desde sempre nutriu por este vulto da cultura nacional, que também o inspirou nas suas criações.

Nesta mostra existirá uma nova abordagem, em que o visitante deixa de ser um mero observador para se envolver no universo da escrita, das obras e das vivências do poeta e pintor. 

No domingo, 24 de março, pelas 17h00, será inaugurada a exposição “Amor em Quarentena”, da autoria e produção de Nuno Viana. Trata-se de um projeto pioneiro, que combina poesia, música e cinema baseado numa história real, iniciado em 2020, e desenvolvido durante o período pandémico.

As exposições “Amor em Quarentena” e “Mário Cesariny: a poesia sem versos” estarão patentes ao público até 28 de abril e 16 de junho, respetivamente.

CONTINUAR A LER

Deixe um Comentário

Pode Também Gostar