Amarante: COVELO redefine conceito de alojamento local

Pela sua qualidade, COVELO, no Centro Histórico de Amarante, redefine o conceito de Alojamento Local -AL (Foto de Ivo Tavares Studio).

No ano em que o jornal inglês “The Guardian” elegeu Amarante como um dos 21 destinos europeus a visitar, a cidade verá significativamente aumentada a sua oferta de alojamento local, com o início de atividade de, pelo menos, duas novas unidades. 

Pronto a abrir portas está, já, o “COVELO – The Original Rooms and Suites”, uma unidade dotada de sete quartos e sala de estar, com capacidade para acolher 16 pessoas, e cujas instalações, pela sua qualidade, como que redefinem o conceito de Alojamento Local (AL).

Trata-se de um “alojamento boutique”, situado na rua 31 de Janeiro, em pleno centro histórico, que resulta da reabilitação e transformação de um edifício constituído por rés do chão e quatro andares, datado de 1937, segundo um projeto familiar e arrojado, visível, de resto, na decoração e no traçado arquitetónico a que meteram mãos dois jovens noivos: a Laura e o João, ambos com 31 anos.

A última intervenção no edifício datava da década de 1980 e terá sido realizada com o intuito de o dotar de condições para receber hóspedes, com a designação de “Zé da Calçada Rooms”. Entretanto, por falta de condições, essa atividade cessou e o edifício foi, durante mais de dez anos, utilizado esporadicamente.   

Tendo em vista a sua nova função, a reabilitação e decoração, que se queriam marcantes e niveladas por cima, foram entregues ao atelier Fala, do Porto, tendo o trabalho ali efetuado merecido destaque de capa na revista “Arquitectura Viva”. O investimento total (aquisição e transformação) foi da ordem dos 600 mil euros.

No COVELO, a tarifa inclui pequeno almoço, servido na icónica Confeitaria Lailai, com esplanada sobre o rio Tâmega.

A experiência da Hostess

Laura Pinto e João Baptista têm no COVELO “a menina dos seus olhos” do alojamento local em Amarante, por serem donos do projeto, mas desde 2018 que vêm gerindo outras unidades, através da empresa Hostess, que então constituíram.

O COVELO, com as suas características distintivas, acrescentará valor à oferta que já disponibilizam no mercado e seu posicionamento no negócio do alojamento local não só se manterá como se tornará mais pertinente.

“A nossa abordagem com os clientes é marcadamente informal. Gostamos de receber com um sorriso de orelha a orelha, de contar “estórias” da cidade, de acompanhar os nossos hóspedes em atividades e de aconselhar sobre o que de melhor se faz por aqui”, dizem.

Foi por isso que, naquilo que são experiências (culturais, de natureza, enogastronómicas…) que podem ser proporcionadas aos turistas, a Hostess estabeleceu parcerias com operadores locais, cuja oferta é diversificada. No COVELO têm também o seu “jornal”, um guia com toda a informação que os turistas precisam para conhecer e desfrutar de Amarante.

Laura é engenheira biomédica, João fez licenciatura em desporto e mestrado em marketing. Chegaram a trabalhar nas suas áreas de formação, mas um convite dirigido a Laura para gerir um empreendimento turístico, e outro a João para trabalhar em marketing digital num negócio similar, mudou-lhes o rumo. A área interessou-os e decidiram criar a Hostess.

“A nossa empresa, disseram a AMARANTE MAGAZINE, surge fruto da paixão e entusiasmo que nutrimos pelo setor do turismo e pela região. A sua criação visou dar resposta ao crescimento do setor em Amarante e à escassez de competências ao nível da oferta turística e de recursos humanos qualificados”. 

A Hostess, que conta, hoje, no seu “portfólio” com onze unidades de alojamentos local, num total de 30 camas, iniciou a sua atividade fazendo a gestão de projetos de terceiros, a maioria deles em regime de “gestão total”. 

A gestão total, implica todas as áreas inerentes à rentabilização de uma unidade de alojamento local, nomeadamente angariação de clientes, limpeza, lavandaria, contabilidade, questões jurídicas, licenciamento, Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, entre outros.

Ou seja, os investidores delegam na Hostess a gestão dos seus alojamentos, sem terem que se preocupar com absolutamente nada.

Nos primeiros tempos de atividade, a Hostess recebia, por norma, os alojamentos prontos a trabalhar. Atualmente, somos já parceiros desde uma fase embrionária dos projetos, prestando apoio em arquitetura, decoração e viabilidade económico-financeira”, referem.

Com a retoma da atividade dos restaurantes (de que depende muito a ocupação no alojamento local) e a procura turística a crescer em Amarante já a partir do mês de maio, conforme se espera, Laura e João vão voltar aos dias ocupados de antes da pandemia, agora com uma oferta acrescida e mais qualificada.

Só na cidade de Amarante, e para além do COVELO, a Hostess gere a Casa do Fontanário, a Casa do Moleiro, a MIMO House e a Casa da Fotografia.

Mais pormenores sobre o COVELO, nas suas redes sociais: aqui e aqui.

CONTINUAR A LER

Deixe um Comentário

Pode Também Gostar