Amarante e Celorico de Basto reabilitam ponte de arame

Já foi adjudicada a empreitada de reabilitação da ponte de arame que liga Amarante e Celorico de Basto.

A ponte de arame sobre o rio Tâmega, que liga as freguesias de Rebordelo, em Amarante, e Arnoia, em Celorico de Basto, vai ser reabilitada, tendo ambos os municípios assinado já a consignação da empreitada, que terá um custo de 280 mil euros.

Com o objetivo de reabilitar e reforçar a estrutura da ponte de arame, que liga Celorico de Basto e Amarante, dotando-a das condições de segurança necessárias ao seu funcionamento e cumprindo as disposições regulamentares em vigor, a Associação de Municípios do Douro e Tâmega avançou, em 2021, para a realização do projeto de intervenção, desenvolvido pelo IC – Instituto da Construção da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, tendo como base o levantamento 3D da ponte e o seu registo fotográfico aéreo.

Agora, os Municípios de Amarante e Celorico de Basto, representados pelos seus presidentes, José Luís Gaspar e José Peixoto Lima, respetivamente, assinaram a consignação da empreitada de “Reabilitação da Ponte de Arame”, adjudicada à empresa Crismaga Lda., pelo valor de 281.037,90 euros. O prazo de execução é de 180 dias.

A ponte de arame que une Rebordelo, no concelho de Amarante, e o lugar de Lourido, em Celorico de Basto, foi construída em 1926 e assumiu, durante décadas, grande importância para a população de ambos os concelhos. Por um lado, os habitantes de Rebordelo usavam-na para irem apanhar o comboio na estação de Lourido (na extinta Linha do Vale do Tâmega), em direção à Linha do Douro ou a caminho do Arco de Baúlhe; e, por outro, trabalhadores de Celorico de Basto atravessavam-na, diariamente, nas suas deslocações para as Minas de Vieiros.

Aquela ponte foi, ainda, um traço de união para as comunidades de ambos os municípios, que trocavam braços nos trabalhos agrícolas, mas que a usavam também em momentos de festividades, de lazer e convívio. Agora, para além de facilitar a mobilidade dos residentes de ambas as margens do Tâmega, é também vista como estruturante para projetos de turismo que começam a desenhar-se na região.

A freguesia de Rebordelo é servida por uma segunda ponte de arame, no rio Olo, nas proximidades de Mouquim, recentemente recuperada.

CONTINUAR A LER

Deixe um Comentário

Pode Também Gostar