Fotografia: depois de “Olhares”, Casa da Granja mostra “Camiño”

Eduardo Teixeira Pinto (Foto AM).

A Casa da Granja inaugura, a 5 de março, a segunda exposição de fotografia que integra a sua programação para 2022. Depois de “Olhares”, de Eduardo Teixeira Pinto, segue-se “Camiño”, do japonês Yasuhiro Yotsumoto, que mostrará os seus trabalhos até 30 de abril.

Patente ao público entre 22 de janeiro e 22 de fevereiro, a mostra de Eduardo Teixeira Pinto (ETP) atraiu muitos visitantes, apreciadores de fotografia e profissionais do setor, meio onde o fotógrafo de Amarante é uma referência incontornável.

Quem se deslocou à Casa da Granja para ver “Olhares”, pôde tomar contacto com alguns dos seus trabalhos mais irónicos, muitos focados no Tâmega e em Amarante, como é o caso de “Intimidades”, “Névoa sobre as águas”, “Margem do Tâmega”, “Manhã no campo”, “Calmaria”, “Alvura”, “Capelinha de Gatão” ou Pescador”, fotos que datam dos anos de 1960/70, ou “Outonal”, uma belíssima fotografia dos anos de 1950.

Satisfeita com a adesão do público, não obstante o período da exposição ter coincidido com alguns picos da pandemia, Verónica Pinto, curador da mostra, explicou, assim, a designação “Olhares”.

“O nome remete para a sensibilidade que Eduardo Teixeira Pinto tinha para fotografar e reflete o seu olhar sobre os temas – as pessoas, a neblina, o rio, os animais… – que registou. Os seus trabalhos mostram a forma como ele via o que fotografava. O mesmo motivo, fotografado por duas pessoas diferentes, numa aparece representado da mesma maneira”, concluiu, não sem lembrar que a Casa da Granja tem uma exposição permanente de trabalhos de Eduardo Teixeira Pinto, pelo que os seus “olhares” podem ser vistos a qualquer momento.

Pormenor da exposição “Olhares”, de Eduardo Teixeira Pinto (Foto AM).

Até 30 de abril, como já referido, é de fotografia que continuará a falar-se na Casa da Granja. A 5 de março, pelas 16:00, terá, então, lugar a inauguração da exposição “Camiño”, do japonês Yasuhiro Yotsumoto, sobre quem se escreve a seguir.

Yasuhiro Yotsumoto nasceu em Osaka, Japão, em 1959, e cresceu principalmente em Hiroshima. Formou-se na Universidade Sophia, em Tóquio, em 1982, e mais tarde, em 1994, na Universidade da Pensilvânia. Vive em Munique, Alemanha, desde 1994. Começou a escrever poesia na adolescência, mas foi quando se mudou para Filadélfia, Estados Unidos da América, em 1986, e mergulhou no ambiente da língua inglesa, que ele começou a envolver-se totalmente com a escrita da poesia na sua língua nativa japonesa. Os seus poemas já foram traduzidos para mais de 20 idiomas. Obteve vários prémios, como o prestigiado Prémio Hagiwara Sakutaro. 

Yotsumoto é editor nacional japonês da Poesia Internacional desde 2006, apresentando a poesia japonesa contemporânea por meio de traduções para o inglês. Desde 2008, é o editor da conceituada revista japonesa de poesia Beagle.

Na fotografia de Yasuhiro encontramos a sua visão poética do mundo.

O “Camiño” tem uma importância fundamental na espiritualidade de Yasuhiro, não só no seu aspeto religioso, mas também o “Camiño” como parte da procura íntima do eu integrado na natureza. 

CONTINUAR A LER

Deixe um Comentário

Pode Também Gostar