Tâmega e Sousa: CHTS tem desde 2012 consulta de enfermagem para doentes ostomizados

Carla Soares com a Enfermeira Carla Nunes, numa visita ao CHTS.

Carla Soares, ostomizada devido a uma doença inflamatória intestinal, é seguida desde 2013 na Consulta de Enfermagem Estomaterapia. Recentemente, não quis deixar de assinalar o Dia Mundial da Doença Inflamatória Intestinal numa visita ao CHTS, registando esse momento com a enfermeira Carla Nunes.

O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS) disponibiliza, desde 2012, a Consulta de Enfermagem de Estomaterapia para apoio aos doentes ostomizados e aos seus cuidadores.

A consulta tem como objetivo informar, esclarecer e educar para práticas que promovam uma melhor adaptação a esta nova condição de vida, bem como a prestar uma vigilância adequada à ostomia, de modo a prevenir complicações ou a tratá-las caso estas surjam.

Carla Nunes, enfermeira especialista responsável por esta consulta, diz que “nos últimos anos, é notório o aumento do número de pessoas ostomizadas decorrentes de patologias do foro intestinal e urinário”. 

Até 2018, a consulta tinha atendido 476 utentes, num total de 4673 consultas, apresentando nos últimos anos um crescimento médio anual de cerca de 15% no número de utentes seguidos.

Com o aumento do número utentes, a consulta passou a contar com mais um elemento de enfermagem. Além do apoio e seguimento da pessoa ostomizada, estes profissionais de enfermagem estão também envolvidos numa equipa multidisciplinar e fazem o encaminhamento dos doentes, sempre que necessário, para as equipas médicas de Psicologia, Nutrição e Serviço Social.

Os doentes têm também disponível uma linha telefónica direta para agendamento de consultas, esclarecimento de dúvidas e apoio especializado, promovendo a proximidade e o fácil acesso para a gestão em tempo útil do seu caso em particular. Esta linha, durante a pandemia, mostrou-se bastante útil para a realização de teleconsultas.

Numa perspetiva de melhorar a qualidade do atendimento à pessoa ostomizada, em novembro de 2018, o CHTS projetou uma nova área para a consulta, composta por dois gabinetes, um para tratamento e outro para atendimento, sendo atualmente um espaço mais amplo, arejado, acolhedor, confortável e com todos os materiais e equipamentos adequados e necessários a uma prestação de cuidados de excelência.

A enfermeira especialista refere a importância da relação humana no tratamento à pessoa ostomizada e salienta que, “para além dos recursos físicos disponibilizados, torna-se fundamental, aquando da intervenção à pessoa ostomizada, valorizar a relação humana que se estabelece entre o utente e o profissional, como fator preponderante em todo o processo de tratamento”.

É ainda de referir que a Consulta de Enfermagem de Estomaterapia é reconhecida como centro de formação especializado na área do doente ostomizado, sendo procurada para a prática de cuidados diferenciados na especialidade de Enfermagem Médico-Cirúrgica.

CONTINUAR A LER

Deixe um Comentário

Pode Também Gostar